Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]


A casa dos animais

por João Miguel Tavares, em 28.01.14

O meu texto de hoje do Público é dedicado ao maravilhoso fenómeno das praxes. Para ler aqui.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Susana a 04.02.2014 às 18:48

Sr. João, devo, primeiramente, dizer-lhe que de todos os textos que tenho lido da sua autoria, este é o primeiro que me parece ter sido escrito por toda a gente menos por si. E porquê? Porque me espanta que não consiga separar o que é um abuso do que é uma praxe. Os acontecimentos do Meco, bem como muitos outros acontecimentos que ocorreram em altura de praxes e foram noticiados não são praxe. São CRIME. Praxe e crime são duas coisas totalmente diferentes. Neste sentido, o importante não é acabar com as praxes, o importante é acabar com os crimes. Dizer que praxar é ir contra a integridade das outras pessoas ou que as humilha é um erro, porque quando isso acontece, não é praxe. O importante seria pois legislar de modo a evitar que esses abusos não acontecessem, o importante seria a educação começar a partir de casa, a partir dos jovens, seria incutir em todos nós que o respeito é fundamental. Porque o problema da falta de respeito e dos abusos não é com toda a certeza responsabilidade das praxes, porque estas, quando realmente são praxes, transmitem tudo, menos falta de educação e respeito.
Para terminar, tenho muita pena que o Sr. João afirme com tanta convicção que um universitário que abrace a praxe seja irresponsável mas concordo inteiramente consigo quando diz que "nenhum jovem bem formado aceita participar na humilhação organizada de alguém que é mais fraco do que ele." , porque pessoas bem formadas, sejam jovens ou velhas não humilham as outras.

Susana
Sem imagem de perfil

De Renato a 05.02.2014 às 10:52

Muito bom dia, tenho ouvido várias opiniões contra e a foavor da praxe, ambas um pouco extremistas de mais para o meu gosto. O que ainda não ouvi foi uma definição clara do que é a praxe, se fosse possivel gostaria que me elucidasse em relação a isto porque o que me parece a mim é que o unico argumento de defesa à praxe que tenho ouvido é a de que as humilhações que vemos na comunicação social não são praxe.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.




Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Para ler o jornalista a falar da família



Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D



Favoritos