Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Vasco Pulido Valente 1974-1979

por João Miguel Tavares, em 09.12.13

 

A única coisa boa da minha última visita a Óbidos foi ter comprado na Ler Devagar uma colectânea de crónicas de Vasco Pulido Valente de 1979, O País das Maravilhas. Custou 20 euros, o que é carito, mas foram 20 euros bem empregues, só para ler pérolas como esta, logo no prefácio:

 

O Partido Socialista usou o Estado para se sustentar e para através dele criar e manter uma pequena-burguesia que se acha revolucionária e que é, pura e simplesmente, a raiz do fascismo possível. O Estado que hoje existe, com os seus 400 000 funcionários, as suas infinitas empresas, a sua Reforma Agrária, o seu domínio da banca, do ensino, da comunicação social, não será nunca uma fonte de igualdade. Com ele, teremos talvez a retórica socializante que historicamente o justifica. E teremos, com certeza, pela outra parte, a brutalidade necessária à alimentação e bem estar dos respectivos senhores.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Como assim, Miguel?

por João Miguel Tavares, em 01.12.13

Já se sabe que muita gente do mundo literato não é grande apreciadora de Miguel Sousa Tavares, por vezes até por razões injustas, mas ele às vezes facilita bastante a vida aos seus críticos. Veja-se o caso de uma resposta como esta, que encontrei numa entrevista sua à revista Somos Livros, do grupo Bertrand:

 

Permita-nos a indiscrição: que livros tem gostado de ler ultimamente?

Em tudo o resto, foi um Verão glorioso, mas, na leitura, foi um Verão desgraçado: não li nada que me enchesse as medidas e levei 12 livros de férias. Veio o Outono e continuei na mesma: livro começado, livro arrumado. Hoje mesmo, gastei uma hora numa livraria e saí de lá... com um caderno de apontamentos.

 

Ora bem, se em relação aos livros que levou para férias, e não sabendo nós quais são, podemos apenas supor que Miguel Sousa Tavares foi vítima de um grande azar ou de alguma falta de senso na hora de escolher, em relação à última frase sobre ter gasto "uma hora numa livraria" e o melhor que por lá encontrou ter sido "um caderno de apontamentos", das duas, uma: ou ele frequenta péssimas livrarias ou tem o gosto literário mais bizarro da história da leitura.

 

É que pode apontar-se muita coisa ao meio editorial português, mas as livrarias estão inundadas de livros para todos os gostos: de clássicos indiscutíveis (em novas edições e muitas vezes com novas traduções) até excelentes novidades, até porque pequenas editoras com um catálogo invejável continuam, felizmente, a existir. Há livros para todos - mas mesmo todos - os gostos.

 

Por isso, Miguel Sousa Tavares tem de ter mais cuidado com os seus tiques apocalípticos. O país está uma desgraça, sim, mas o que não falta nas livrarias, graças a Deus, são livros do caraças para nos consolar um pouco. Que ninguém nos queira tirar isso.



Autoria e outros dados (tags, etc)

Debunking the splendour

por João Miguel Tavares, em 10.11.13

Eu nunca tinha ouvido falar em Simon Leys - aliás, Pierre Ryckmans, belga de 78 anos que escreve em francês e em inglês, vive na Austrália com a sua mulher chinesa, e que já agora também é pai de quatro, como eu, além de católico - até ler um texto sobre ele de Ian Buruma na New York Review of Books, a propósito do lançamento da colectânea de ensaios The Hall of Uselessness.

 

Se este título lhe soa a alguma coisa que um monge budista lhe pudesse dizer ao ouvido, é porque é mesmo - Leys é um especialista em cultura chinesa, e o seu nom de plume foi mais uma necessidade do que outra coisa, quando no início dos anos 70 começou a bater nas orelhas do camarada Mao, e achou que era melhor não o fazer com o seu nome verdadeiro, se queria ter oportunidade de continuar a viajar para a China.

 

Mas aquilo que me interessou no texto de Buruma não foi a condição de sinólogo, mas sim esta passagem de uma troca de argumentos entre Leys e Christopher Hitchens a propósito do livro deste último sobre Madre Teresa de Calcutá, com o colorido e muito hitchenesco título The Missionary Position:

 

The most interesting thing was the anecdote related by Leys at the end of his account, about sitting in an Australian café minding his own business while a radio is blaring musical and spoken pap in the background. By chance, the program switched to a Mozart clarinet quintet, for a moment turning the café “into an antechamber of Paradise.” People fell silent, there were looks of bafflement, and then, “to the huge relief of all,” one customer “stood up, walked straight to the radio,” turned the knob to another station, and “restored at once the more congenial noises, which everyone could again comfortably ignore.”

 

Leys describes this event as a kind of epiphany. He is sure that philistinism does not result from the lack of knowledge. The customer who could not abide hearing Mozart’s music recognized its beauty. Indeed, he did what he did precisely for that reason. The desire to destroy beauty, according to Leys, applies not just to aesthetics but as much, if not more, to ethics: “The need to bring down to our own wretched level, to deface, to deride and debunk any splendour that is towering above us, is probably the saddest urge of human nature.”


The Hall of Uselessness chegou-me há pouco via Amazon e é um tijolo de quase 600 páginas que ainda não tive oportunidade de ler. Mas basta-me esta última frase para saber por antecipação que vou gostar dele.



Autoria e outros dados (tags, etc)



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Para ler o jornalista a falar da família


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D




Favoritos