Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Bloco ficou Livre do 3D

por João Miguel Tavares, em 30.01.14

Hoje, no Público, escrevo sobre o estado geral da esquerda e sobre que tem mais futuro na política: os idealistas com alguma ingenuidade ou os super-esquemáticos. Para ler aqui.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Arnaut, um facilitador

por João Miguel Tavares, em 13.01.14

Um grande texto do Daniel Oliveira, para ler aqui. Ainda que cada vários dos indivíduos citados mereçam subtilezas de análise que o Daniel dispensa (as pessoas não são todas iguais, de facto), o problema de fundo é exactamente como ele o colocou. E, neste ponto, a esquerda tem absoluta razão. A imoralidade anda à solta e faltam à democracia instrumentos capazes de lhe pôr fim.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Uma coisa em forma de assim

por João Miguel Tavares, em 14.11.13

O texto que o Daniel Oliveira hoje publica no Expresso, intitulado "Um novo sujeito político à esquerda", é importante por duas razões:

 

1. Admite que a esquerda europeia esbarrou de frente com a parede e que experiências como a de Hollande (ainda há tão pouco tempo o herói de António José Seguro) estão a escaqueirar a pouca credibilidade que lhe resta, abrindo espaço ao crescimento da extrema-direita.

 

2. Apresenta alegadas alternativas alegadamente concretas para inverter a situação.

 

Analisemos então o que diz Daniel Oliveira no seu texto:

 

1. Hollande está a lixar tudo [concordo].

 

2. Seguro é "um Hollande em potência" [concordo].

 

3. A única forma de o PS não seguir os passos de Hollande é com uma "forte ameaça vinda da esquerda" [concordo].

 

4. "Essa ameaça dificilmente poderá surgir, por si só, apenas de um novo partido político" [certo, o Rui Tavares não vai resolver nada].


5. "Isso poderia balcanizar ainda mais o que já está dividido, bloqueando qualquer solução" [ok... então a solução é apoiar o PCP e o Bloco?].


6. "Essa ameaça dificilmente pode surgir do PCP" [ai não? Ok, corta-se o PCP... Fica o Bloco].


7. "Essa ameaça não virá do Bloco de Esquerda, que perdeu a oportunidade histórica de cumprir esse papel" [também não?... mas então quem? O PCTP/MRPP?].


8. "A verdade é que dificilmente, em Portugal, com a nossa história, um movimento político amarrado à tradição da extrema-esquerda poderá ameaçar o PS" [eeeerhhh, bom, mas então, não estou a ver bem...].


9. "Na reconfiguração do cenário partidário à esquerda, a abrangência ideológica tem de ser muitíssimo maior do que hoje é abarcado pelos partidos à esquerda dos socialistas" [ok... precisamos então de uma cena ideologicamente abrangente para obrigar o PS a ser mais ideologicamente concentrado... não sei se faz muito sentido... mas essa cena é o quê?].


10. "Tenha a forma de movimento, frente, coligação ou qualquer outra coisa, o novo sujeito político deve juntar quem, à esquerda, esteja interessado em unir forças. Pode e deve abranger partidos políticos já existentes, partidos políticos que entretanto se possam formar e muitos dos que não militam em qualquer partido" [ah, tá bem, citando o velho O'Neill, é "uma coisa em forma de assim"].


Portanto, em resumo, eis a solução de Daniel Oliveira para salvar o país de Pedro Passos Coelho e de António José Seguro (e posso garantir que até eu pagava para me ver livre desses dois): uma coisa em forma de assim. Um "movimento". Uma "frente". Uma "coligação". Mas especialmente: "qualquer outra coisa". E ainda: um "novo sujeito político".

 

Infelizmente, está-se mesmo a ver que, para não variar, este é mais um sujeito que não vai sair de verbo.

 

Entre o partido político de Rui Tavares que ninguém sabe quem apoia e a coisa de Daniel Oliveira que ninguém sabe o que é, venha o Diabo e escolha. Mas assim está a nossa esquerda, e assim estão dois dos seus mais jovens, mediáticos e brilhantes representantes (e aqui não estou a ironizar).

 

Devo dizer que não há nenhuma alegria nesta constatação, porque nós precisamos muito de alternativas credíveis àquilo que temos. Mas esperar que a esquerda se una e se entenda em "qualquer outra coisa" que não seja o NÃO do costume (não, não queremos a troika; não, não queremos a austeridade; não, não vamos por aí), é pura utopia. Basta, a título de pequeno exemplo, olhar para a guerra civil que se abriu no blogue Cinco Dias por causa do legado de Álvaro Cunhal.

 

O que Daniel Oliveira parece querer, se bem percebi, é uma espécie de Tea Party à portuguesa, mas do lado da esquerda. Chamar-lhe Partido do Chá seria desagradável. Chamar-lhe Partido da Falta de Chá seria pouco simpático. Chamar-lhe Partido da Sangria parece-me uma designação correcta: por um lado, porque se mete tudo lá para dentro; por outro, porque ninguém irá sair de lá vivo.



Autoria e outros dados (tags, etc)

Parece que sou fascista

por João Miguel Tavares, em 14.11.13

Há umas semanas o Daniel Oliveira deu-me umas bicadas no seu blogue Arrastão, e eu respondi-lhe no Público com este texto, que ainda se mantém actual - já irão ver porquê:


Daniel Oliveira, que não sendo propriamente meu amigo é alguém por quem nutro amizade e admiração intelectual, decidiu falar de mim numa das suas últimas colunas do Expresso online [NR: na verdade, o texto acabou por não sair no Expresso online, mas apenas no Arrastão], incluindo-me numa “jovem direita, que até já foi civilizada”, mas que agora, lamentavelmente, “está cada vez mais próxima do estilo Fox News”. Diz ele: “Sente-se ali o Dr. Strange Love. Bem tenta, mas a tradição não deixa conter aquele bracinho...” Ou seja, parece que quando estou mais distraído o meu membro superior direito ganha vida própria e desata a fazer a saudação romana, à boa moda fascista.

 

E porque é que, no entender do Daniel, eu sou um terrível ex-civilizado e um lamentável proto-fascista? Porque me atrevi barbaramente a defender que somos um “país tenrinho”, apontando como exemplo a demora com que o governo tratou o caso da ponte, quando qualquer pessoa com dois dedos de testa e sem um par de palas extremistas nos olhos perceberia que permitir ali manifestações, seja da CGTP ou dos Amigos dos Animais, não tem pés nem cabeça. Tal qual – diria eu imodestamente – se veio a provar.

 

Não querendo, contudo, voltar a uma vaca que por esta altura já está gelada, devo dizer que não percebo porque se indigna tanto Daniel Oliveira com o conceito de “país tenrinho”. Afinal, basta passar os olhos pelo seu blogue – o Arrastão – para encontrar numerosos defensores desta mesma tese. A esquerda mais musculada não tem dito ou sugerido outra coisa. Para vários amigos do Daniel (não sei se deva aqui incluir o próprio, ele logo me dirá), o país é mesmo muito, muito, muito tenrinho, e por esta altura o povo há muito, muito, muito que deveria ter saído à rua e deposto o actual governo, por eles considerado não apenas péssimo, indecoroso ou indecente, mas também – e sobretudo – ilegítimo.

 

Donde, quando Daniel Oliveira afirma que a proibição da manifestação na ponte foi “só mais um passo para o ambiente de medo e apatia que pretendem impor ao País”, o que ele está efectivamente a querer dizer em linguagem de Arrastão é que foi “mais um obstáculo para o ambiente de ferro e fogo que certa esquerda gostaria de ver no país”. Às vezes não sei bem o que é que mais os irrita – se o governo de Pedro Passos Coelho e Paulo Portas, se a forma mole, desencantada e tenrinha com que o povo “ai aguenta, aguenta”.

 

Portanto, caro Daniel, não sou eu que estou com vontade de levantar o bracinho – és tu que mo estás a puxar. Em boa verdade, nós estamos unidos na frustração em relação a este governo: tu, porque achas que ele nos está a empobrecer pela direita (a destruição do Estado Social); eu, porque acho que nos está a empobrecer pela esquerda (a incapacidade de diminuir o peso do Estado). A diferença entre nós é que no meu caso existe um caminho alternativo – a eternamente adiada reforma do Estado –, enquanto no teu caso não existe caminho algum.

 

Espera, estou a ser injusto. Há dias tu propuseste um: “A alternativa? Correr o risco de ser livre. E pagar a factura dessa liberdade. Seja dentro ou fora do euro, seja correndo com a troika ou negociando firmemente com ela. Pobres, se preciso for. Falidos, se tiver de ser. Mas dignos de, como povo, sermos donos do nosso destino.” É bonito, sim senhor. Mas não admira que com alternativas deste calibre a esquerda precise de andar a levantar os braços dos outros – é que para pagar tal factura não há quem ponha a mão no ar.



Autoria e outros dados (tags, etc)



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Para ler o jornalista a falar da família



Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D




Favoritos