Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Resposta a Hugo Mendes, do Jugular

por João Miguel Tavares, em 22.11.13

O Hugo Mendes responde ao meu texto de ontem no Jugular. A qualidade do seu post mereceu a seguinte resposta da minha parte, que deixei na sua caixa de comentários:

 

Caro Hugo Mendes, eu não tenho por hábito comentar posts, mas a qualidade deste seu texto e a seriedade da sua análise merecem uma resposta da minha parte. Não para contestar os seus números, mas para precisar a minha posição.

 

1. A referência aos 28 mil milhões, que encontrei tanto no Finantial Times como no Wall Street Journal, não se referem apenas a cortes na despesa, mas a cortes na despesa e a aumento de impostos: "To control a huge budget deficit, a legacy of its property and banking crashes, Ireland since 2008 has implemented €28 billion of tax increases and spending cuts. It is obliged under the EU and IMF program to continue cutting the deficit and add another €5.1 billion in cumulative measures for 2014 and 2015." Foi uma imprecisão minha, pela qual peço desculpa.

 

2. Em relação ao interessante gráfico a propósito da evolução do défice irlandês, proponho que o compare com um gráfico semelhante em relação à evolução do défice português. Embora o nosso sistema bancário não tenha entrado em colapso, também tivemos a nossa dose de BPNs, BPPs e BANIFs - retirando esses valores ao défice nacional, e ainda que queira atirar os 30,6% irlandeses borda fora, será o ajustamento dos défices português e irlandês assim tão distinto?

 

3. A motivação do meu texto, como penso que está bem explícito, foi recusar a tese de que o programa irlandês resultou porque fugiu à austeridade. Ele não fugiu à austeridade coisíssima nenhuma. O que fez foi aplicar um outro tipo de austeridade, mais inteligente, que passou muito mais pelo corte na despesa - matéria em que, de facto, diria que foi bastante mais firme - do que pelo aumento dos impostos.

 

4. Por favor, não entenda o meu texto como uma defesa do governo. Eu levo o tempo todo a ser confundido com um defensor do governo só porque passo boa parte do tempo a bater na oposição. Ora, entenda que bater no governo e bater na oposição não são actividades incompatíveis. Bem pelo contrário, diria mesmo que neste momento são as duas únicas actividades possíveis em Portugal. O governo está a desaproveitar uma oportunidade histórica para reformar o país; e o PS está a aproveitar a oportunidade histórica do costume, que consiste em fingir de morto e insinuar que basta estalar os dedos para começarmos a crescer à irlandesa.

 

5. Por último, deixe-me saudar novamente a forma elevada como respondeu ao meu texto. Se as pessoas em Portugal discutissem com a seriedade que o Hugo utilizou aqui, os embates ideológicos seriam altamente produtivos, em vez de se esgotarem na gritaria do costume. Agradeço-lhe sinceramente por isso.´


Autoria e outros dados (tags, etc)


4 comentários

Sem imagem de perfil

De Sergio Pinto a 22.11.2013 às 23:30

Foi a ver a novela e o futebol q nos levaram para este buraco sem fundo...percebo o q diz pq também eu acho q infelizmente q temos dois senhores na frente dos dois maiores partidos q são mto fraquinhos...quem me dera ver Rui Rio e António Costa em vez destes dois jotas!!!
Sem imagem de perfil

De Sousa Mendes a 22.11.2013 às 12:04

Ó JMT . isso é uma resposta ao Hugo Mendes? É parecida com a resposta do Henrique Monteiro ao Sócrates. Não te metas a escrever e a falar do que não sabes. Limita-te ás parvoeiras que costuma debitar. Queres imitar o piqueno Gomes (ignorante)Pereira? Faz também um programa de governo, ou um guião da reforma do estado como o Portas.
Imagem de perfil

De João Miguel Tavares a 22.11.2013 às 15:38

É isso mesmo, Sousa Mendes. Há que deixar a política aos políticos, a economia aos economistas e a Constituição aos constitucionalistas. O resto do pessoal que se preocupe pacatamente com a novela das nove e os reality shows. Ah, como gosto de argumentos de autoridade...
Sem imagem de perfil

De Sousa Mendes a 27.11.2013 às 17:21

Então para além dos argumentos de autoridade parece que sempre reconheceu "as imprecisões" e a falta de conhecimentos resultantes da falta de preparação para a matéria do artigo. Folgo em saber que é capaz de reconhecer que andou mal na resposta. Reconhecer os erros é um primeiro passo. O passo seguinte é estudar melhor os assuntos!

Comentar post




Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Para ler o jornalista a falar da família



Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D




Favoritos